3 mar 2021 às 14:06 hs |
Saúde confirma 1º caso da variante P1 do coronavírus em Mato Grosso do Sul

Caso é de paciente de Corumbá, mas doença pode estar em outras regiões do Estado

Geraldo Resende confirmou caso da variante durante live na manhã desta quarta-feira. (Imagem: Reprodução)

O secretário estadual de saúde, Geraldo Resende, confirmou, na manhã desta quarta-feira (03), o primeiro caso da variante P.1 do coronavírus em Mato Grosso do Sul. Trata-se de um paciente de Corumbá. Na segunda-feira (1º), Resende já havia adiantado ao Jornal Midiamax que a nova cepa do vírus já estava circulando no Estado.

Conforme informado pelo secretário durante live para apresentação do boletim Covid-19, o paciente permaneceu vários dias na UTI (Unidade de Terapia Intensiva), mas já saiu e está em recuperação. “O paciente veio de Manaus – primeiro local onde a nova cepa foi identificada – e foi internado em Corumbá”.

Entretanto, ainda existem outros dois casos suspeitos que seguem em análise: um registrado em Campo Grande e outro em Fátima do Sul. “Há indicativos de materiais que encaminhamos para SP e MG apontam que temos essa variante em outros municípios, principalmente região da grande Dourados”, informou o secretário.

Para Resende, a chegada da variante P.1 do coronavírus – que tem transmissão mais rápida, é motivo de preocupação. “Entendemos que precisam ser tomadas medidas que possam levar, de fato, a diminuição [de casos], durante pelo menos 3 semanas”, explicou.

Restrições necessárias

O secretário cobrou dos municípios o cumprimento das medidas propostas pelo programa Proseguir, que classifica as cidades por bandeira, conforme o risco de contaminação para a doença.

“Se estiverem seguindo [o Prosseguir] é uma contribuição muito forte para evitar o colapso. Já os municípios que não seguem, estão expondo a população em risco”, pontuou.

Para Resende, as cidades que não seguem a recomendação do programa Proseguir, estarão contribuindo para o colapso na saúde. “Os municípios que estão com bandeiramento [alto grau de contaminação] devem restringir muitas das atividades chamadas não essenciais. Precisam fazer isso sob pena de não termos leito para ninguém”, disse.

Já está em análise a possibilidade de MS adotar medidas mais incisivas para barrar aglomerações e circulação de pessoas. “Temos em vista várias ações que podem ser feitas com nosso aparato de segurança”, declarou.

O que se sabe sobre a variante do coronavírus?

Um estudo de epidemiologia genômica feito por cientistas brasileiros revela que pacientes infectados com a nova variante P.1, de origem no Amazonas, têm uma carga viral 10 vezes maior em secreções colhidas por amostras RT-PCR do que a média vista em cepas anteriores. Além disso, essa carga está também mais alta em homens e mulheres adultos com idade inferior a 60 anos.

Então, o estudo confirma que as mutações do vírus na variante P.1 devem estar associadas a uma maior transmissão. Logo, podem ser responsáveis por infecções mais graves. Isso ajuda a entender a explosão de casos no Amazonas entre janeiro e fevereiro, levando a mais mortes de covid-19 este ano que em 2020 inteiro.

No Brasil, essa nova variante já foi encontrada em ao menos 10 estados, mas suspeita-se que ela esteja presente em todos (visto que há poucos sequenciamentos feitos no país para comprovar a linhagem do vírus).

Fonte: Midiamax

Comentários ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do F5MS Notícias. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.