7 nov 2018 às 11:13 hs |
Ladrões que explodiram bancos e lojas de MS são do ‘novo cangaço’ e usaram pólvora negra, diz polícia

A investigação sobre os ladrões, fortemente armados e que explodiram agências bancárias e lojas de Chapadão do Sul, município da região nordeste de Mato Grosso do Sul, aponta que eles fazem parte do ‘novo cangaço’ e usaram pólvora negra para barbarizar e cometer crimes, na madrugada desta quarta-feira (7).

 

“Nós estamos finalizando a perícia. Um helicóptero também está ajudando nas buscas e diversos motoristas também estão sendo abordados. A operação ocorre em conjunto com forças policiais de Goiás e do Mato Grosso, já que existe a suspeita de que os ladrões sejam de outros estados. Além dos dois bancos, eles também tiveram como alvo uma loja de roupas e uma ótica da cidade”, afirmou ao G1 o delegado Felipe Potter, um dos responsáveis pelas buscas.

 

Com metralhadoras e fuzis em mãos, em vários carros e com roupas camufladas, enzapuzados e usando botas, os homens invadiram a cidade. “Duas equipes do Garras [Delegacia Especializada em Repressão à Roubos a Bancos, Assaltos e Sequestros] foram para lá e eu também estou a caminho. Os policiais já apuraram que eles usaram pólvora negra, que é uma espécie de artefato explosivo improvisado”, ressaltou Fábio Peró, titular da unidade policial, em Campo Grande.

 

Lojas que estavam perto de bancos também foram alvo de bandidos nesta madrugada (7) — Foto: Polícia Civil/DivulgaçãoLojas que estavam perto de bancos também foram alvo de bandidos nesta madrugada (7) — Foto: Polícia Civil/Divulgação

Lojas que estavam perto de bancos também foram alvo de bandidos nesta madrugada (7) — Foto: Polícia Civil/Divulgação

 

 

Até o momento, não foi revelado o valor levado das agências da Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil. No caso do primeiro banco, a Polícia Federal (PF) também vai contribuir com as investigações.

 
 
Fonte:G1MS
Comentários ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do F5MS Notícias. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.