6 ago 2020 às 10:10 hs |
Justiça estuda estender campanha Sinal Vermelho a entregadores de farmácias
 Imagem: Divulgação

A Justiça estuda estender a campanha ‘Sinal Vermelho contra a Violência Doméstica’, para que as vítimas possam denunciar as agressões aos entregadores das farmácia credenciadas. Por enquanto, a vítima deve procurar a farmácia e marcar um “X” vermelho na mão, para que um profissional acione a polícia.

O TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), divulgou nesta quarta-feira (05), que o município de Ivinhema, a 291 quilômetros de Campo Grande, entrou para a lista de municípios sul-mato-grossenses que aderiram 100% à campanha . Todas as farmácias, privadas e municipais, participam da campanha.

A partir de agora, esses estabelecimentos receberão orientações e material para ajudar as vítimas a quebrar o ciclo de violência. Conforme o TJMS por ser uma proposta simples, a campanha está registrando grande adesão dos municípios sul-mato-grossenses, principalmente das cidades onde a rede municipal de apoio tem feito este contato pessoal com as farmácias.

A juíza Helena Alice Machado Coelho, que responde pela Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar de MS, lembra que a campanha está sendo realizada apenas dentro das farmácias. No entanto, existe a possibilidade de se estender a iniciativa para os entregadores de medicamentos.

Campanha

A campanha Sinal Vermelho Contra a Violência Doméstica foi criada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), em parceria com os tribunais de justiça, associações, além de outros órgãos públicos e privados do país.

A campanha foi lançada em todo o país no dia 10 de junho e cresce a cada dia. A juíza Helena Alice afirmou que trabalha para ampliar o número de farmácias e drogarias engajadas nesse esforço concentrado em todo o Brasil para fornecer apoio e ajuda às vítimas de violência.

Fonte:Midiamax

Comentários ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do F5MS Notícias. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.