1 abr 2021 às 17:35 hs |
Douradense está entre os 28 candidatos com ‘redação nota mil’ no Enem 2020

Já matriculada no curso de medicina da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), onde foi aprovada no último vestibular, a douradense Raíssa Piccoli Fontoura, de 20 anos não esconde a alegria de ver seu nome entre os 28 estudantes que conseguiram nota mil na redação do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). A lista de candidatos chegou a 2,7 milhões em todo o Brasil.

Apesar de dizer que foi surpreendida pelo resultado, o feito de Raíssa não é fruto do acaso. Teve muita ‘ralação em cima dos conteúdos e um esforço ainda maior para conseguir ultrapassar os 960 pontos da redação anterior. “Achei o tema muito complicado e até tive receio de não ter me saído bem”, revela a jovem.

“Estudava em torno de 10 horas por dia. Assistia às aulas no período da manhã e me dedicava, especialmente, à realização de exercícios no período da tarde. Eu fazia em torno de três redações aos domingos”, conta Raíssa com exclusividade ao Midiamax, lembrando que por conta de toda a situação da pandemia, em alguns momentos perdia o foco, o que acabava atrapalhando o cumprimento da meta estabelecida.

A estudante diz que não existe uma receita básica para alcançar a nota máxima. O que é preciso segundo ela, é ler muito e manter a tranquilidade no momento da escrita, prestar o máximo de atenção ao tema (é interessante circular palavras relevantes para evitar confusões e o desenvolvimento incorreto do texto) e conhecer todas as competências cobradas na prova de redação do Enem, pois ela tem características bem específicas.

Foco e resiliência

Antes de navegar em águas mansas, a estudante enfrentou ondas mais agitadas. Ela já tinha feito outras provas e nas tentativas anteriores acabou ficando no meio do caminho. Persistente, Raíssa que sempre foi muito apegada à família decidiu fazer cursinho em São Paulo e enfrentou a tempestade da pandemia.

“Não desistir de estudar. Resultados não tão bons fazem parte do processo de formação e consolidação do conhecimento. É importante tentar manter o foco e a resiliência pra impedir que a desistência se torne uma opção”, aconselha a douradense que fez a prova do Enem na capital paulista.

“Para colher esses frutos Raíssa teve que abrir mão de muitas coisas desde a sua adolescência. Foram muitas horas de dedicação algumas frustrações e isso fez com que a gente sofresse junto”, explica o pai da jovem, Eduardo Fontoura, que é enfermeiro. Ele e a mulher, Flaviany Piccoli Fontoura, que também é enfermeira, são professores da Uems (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul).

Fonte:Midiamax

Comentários ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do F5MS Notícias. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.